Notícias 31/08/2018

Esta 6ª feira, dia 31, destacamos nas Notícias:

|| O Fórum da Maia vai receber nos dias 4 e 5 de setembro, o 3.º Encontro sobre Inovação Pedagógica.

Trata-se de uma conferência organizada pela Universidade do Minho, Câmara Municipal da Maia, os sete Agrupamentos de Escolas do Concelho da Maia e o Centro de Formação de Associação de Escolas MaiaTrofa.

Com este evento, a organização pretende que este evento, que se tem vindo a afirmar como um marco relevante no panorama da educação e na partilha de práticas pedagógicas inovadoras com tecnologia, nomeadamente, móvel, seja um espaço de formação, reflexão e comunicação para os professores dos ensinos básico e secundário, bem como para os investigadores e decisores políticos.

O projeto SUPERTABI foi criado e desenvolvido pelo investigador Marco Bento (Centro de Investigação em Educação – Universidade do Minho), sendo financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Este 3.º Encontro vai ficar marcado pela sua internacionalização, uma vez que vai ter como keynote speaker o Fundador e Presidente da Associação Internacional para Mobile Learning, Mike Sharples da Open University do Reino Unido.

Para esta edição, já se encontram inscritos quase 1000 participantes. O 1.º Encontro contou com cerca de 600 professores e o segundo com 700.

| A DECO- Associação de Defesa do Consumidor lançou uma carta aberta aos partidos políticos para exigir a reposição do IVA à taxa mínima na energia doméstica em Portugal

A Associação de Defesa do Consumidor afirma que é uma questão de “justiça social”. A eletricidade e o gás são taxados a 23% desde 2011. A medida fazia parte do pacote de austeridade dos tempos da troika.

Sete anos depois, a DECO considera que não faz sentido continuar a aplicar a taxa máxima do IVA ao setor da energia e lança uma carta aberta aos partidos políticos para exigir a reposição do IVA à taxa mínima de 6%.

A carta aberta, que pode ser assinada por qualquer pessoa, foi a forma que a DECO encontrou para pressionar os partidos.

A DECO fez as contas e concluiu que numa fatura média mensal de eletricidade de 45 euros, a redução do IVA para 6% significa uma poupança de 70 euros por ano. Já no caso do gás, os consumidores que pagam por mês em média 25 euros iriam poupar 40 euros por ano.

A associação lembra que os portugueses pagam pela eletricidade mais do que a média europeia e defende que “um serviço essencial como a energia continuar a ser taxado a 23%”. É urgente baixar para os 6% e “a taxa intermédia de 13% não é suficiente para compensar todos os sacrifícios enfrentados pelos consumidores”, diz a DECO.

A carta aberta está disponível em www.bastam6.pt e quer influenciar o debate do Orçamento de Estado para 2019.

|| Esta e outras notícias também em Maia Primeira Mão