Conselho ministros extraordinário
Foto Rodrigo Antunes / Lusa

O primeiro-ministro anunciou ter pedido uma audiência ao presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para pedir a declaração do Estado de Emergência nos 121 concelhos abrangidos pelas medidas que entram em vigor a 4 de novembro.

O “dever cívico de recolhimento domiciliário” aplica-se a 121 concelhos, a maioria na Grande Lisboa e Norte do país, onde se verificam 240 casos de covid-19 por 100 mil habitantes. “A cada 15 dias será revisto a decisão”, adiantou António Costa, em que podem ser retirados ou incluídos novos concelhos de acordo com o seu comportamento relativamente a novas infeções. Em causa estão 7,1 milhões de portugueses.

Do conselho de ministros extraordinário deste sábado, saíram várias medidas como o teletrabalho obrigatório, salvo impedimento do trabalhador; a proibição de feiras e mercados de levante; encerramento dos estabelecimentos comerciais até às 22h, exceto take away, farmácias, consultórios e clínicas, funerárias, postos de abastecimento e rent-a-car; máximo de seis pessoas por grupo em restaurantes, que encerram às 22h30, eventos e celebrações limitados a cinco pessoas, salvo se forem do mesmo agregado familiar.

Dever cívico de recolhimento domiciliário, à exceção de saídas para trabalhar, fazer exercício, passear animais, ir ao supermercado ou à farmácia, etc.