Maioria dos portugueses quer continuar a trabalhar a partir de casa

No encerramento do primeiro período letivo, o ministro da Educação voltou a sublinhar que “a prioridade do Governo é manter a escola presencial”, até porque “as escolas não são focos privilegiados” da transmissão do novo coronavírus.

“Podemos ser confrontados com uma necessidade de podermos ter de transitar, no espaço de tempo mais curto possível e no espaço territorial menos alargado possível, a termos ensino misto ou à distância”, admitiu o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, durante o debate na especialidade da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

No entanto, o governante voltou a sublinhar que a primeira opção é sempre o ensino presencial: “A prioridade do Governo é manter a escola presencial”, até porque “as escolas não são focos privilegiados da doença”.

As declarações de Tiago Brandão Rodrigues surgem na véspera da reunião do Conselho de Ministros agendada para amanhã, sábado, para decidir novas medidas tendo em conta a evolução da pandemia de covid-19.