Árvore

De forma a evitar as queimadas, que são responsáveis por um terço dos fogos rurais, a associação ambientalista Zero sugere que as freguesias mais atacadas e com o maior risco de incêndio sejam dotadas de biotrituradores.
Esta iniciativa originaria uma poupança anual estimada em 48 milhões de euros.

A associação defendeu, num comunicado, que os biotrituradores representam a solução mais acertada para a reciclagens dos restos agrícolas e florestais.
Deste modo, a Zero vai dar início a uma campanha que tem como objetivo sensibilizar para a necessidade de munir os municípios com estas máquinas.

O trabalho das máquinas seria despedaçar as sobras agrícolas e florestais, servindo como alternativa às queimadas em zonas onde o risco de incêndio é elevado.

Mencionando os dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a Zero reforça que entre 2010 e 2019, a média anual de incêndios iniciados em queimadas representa 34% do total de fogos, realçando o quão prejudicial as mesmas são para o ambiente.

A Zero considera que a aquisição destas máquinas deveria acontecer, de modo experimental, sendo mais tarde, algo generalizado. Reitera ainda que os biotrituradores podem ajudar na promoção da compostagem comunitária e que podem representar uma opção ao encaminhamento de resíduos florestais para centrais de biomassa a grande distância.