A grande vantagem face aos anticorpos que agora são usados no combate à doença é que por ser pequena, esta molécula penetra por completo no tumor e os custos são bem mais baratos.

Falta ainda passar aos ensaios em humanos para validar o tratamento e só depois, se tudo correr conforme os investigadores esperam, é que avançará a produção industrial.