SNS 24 - foto Tiago Petinga

Foi anunciado dia 2 de outubro, por Diogo Serras Lopes, secretário de Estado da Saúde a contratação de mais de 650 profissionais para a linha SNS 24. Serão abertos, ao mesmo tempo, mais dois “call centers”.

Um dos novos “call centers” já está em período experimental e irá abrir na Covilhã, estando na previsão a abertura de outro em Vila Nova de Gaia, afirmou o secretário de Estado da Saúde durante a habitual conferência de imprensa sobre a Covid-19.

Nos restantes centros de contacto do SNS 24, serão contratados cerca de 650 profissionais, antes do inverno para um maior reforço.

“(Este reforço) permitirá que passemos dos atuais 1.350 profissionais na linha SNS 24 para os dois mil ainda durante o outono“, avançou o secretário de Estado.

Inicialmente, Diogo Serras Lopes quis dar destaque ao trabalho que a linha de saúde tem realizado no combate à pandemia, reforçando o aumento registado este ano: cerca de 82% em relação ao mesmo período de 2019.

“O crescimento de 2020 é, claro, ligado à pandemia da Covid-19, mas só foi possível através de um investimento significativo em termos de reforço da capacidade”, sublinhou.

Segundo os dados avançados pelo presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), o recorde de 200 mil chamadas recebidas em janeiro de 2019 foi ultrapassado em diversos meses de 2020 e em dois deles o SNS 24 recebeu mais de 300 mil contactos.

Em Portugal, o maior número de chamadas recebidas foi de 338 mil no mês de março (início da pandemia em Portugal) e no mês de setembro.

“Mas ao contrário do que aconteceu em março, em que os tempos médios de espera dispararam, em setembro temos um tempo médio de espera que se tem mantido muito estável”, explicou Luís Goes Pinheiro.

Excluindo o mês em que teve início a pandemia, em 2020 os dados do SPMS apontam para um tempo médio de espera de cerca de 52 segundos, abaixo daquele registado nos anos anteriores.

O responsável pelos serviços partilhados acrescentou ainda que o reforço e o investimento que tem vindo a ser feito pelo Governo na linha de saúde permite assegurar que o SNS 24 “tem capacidade de resposta para a procura que se espera que seja crescente nos próximos meses”.