Chama-se Maurice, vive na ilha de Oléron, em França e tem por costume anunciar a madrugada com o tradicional canto de galo.
Ao que consta na queixa judicial efectuada por dois vizinhos, o galo Maurice tornou-se um incómodo por este o fazer ‘muito alto e demasiado cedo’, mas o Tribunal de Rochefort recusou o processo, considerando que os queixosos não apresentaram provas do barulho excessivo e referindo também que o animal vive num meio rural.
O casal queixoso, cuja sala está localizada a quatro metros do galinheiro, e pretendia calar o animal, foi ainda condenado ao pagamento de 1.000 euros por danos causados à sua dona, Corinne Fesseau.
O conflito, difundido na imprensa francesa e internacional, tornou-se um fenómeno de peculiaridade, transformando Maurice num galo livre para se exprimir e num símbolo do país rural.