Depois de 30 anos a monitorizar os movimentos de animais que habitam a zona polar ártica,
cerca de 150 investigadores de mais de 100 instituições, entre os quais o biólogo José Alves,
da Universidade de Aveiro (UA), não têm dúvidas: as alterações climáticas que levaram o
ártico a entrar num novo estado ecológico, provocaram alterações na dinâmica espácio-
temporal dos animais que habitam a região. O artigo foi publicado na revista Science.

O trabalho demonstra como aves migradoras alteraram os seus padrões migratórios e várias
populações de renas mudaram a sua fenologia reprodutora em resposta às alterações
climáticas no ártico. Por outro lado, ursos, alces e lobos não modificaram as suas taxas de
deslocação em resposta à precipitação, embora os alces se movimentem mais com as
temperaturas mais altas no verão, sugerindo diferenças nestas respostas em diferentes
níveis tróficos do ecossistema ártico.