Banco Alimentar do Porto com aumento de 600% nos pedidos de ajuda

O Banco Alimentar do Porto registou um aumento de 600% dos pedidos de ajuda desde o início da pandemia, revelou hoje a responsável do serviço social, acrescentando que, neste momento, a instituição apoia 60.000 pessoas no distrito do Porto.

“Os pedidos de ajuda têm aumentado e o perfil das pessoas que pedem ajuda também mudou radicalmente”, afirmou hoje, em declarações à Lusa, Inês Pinto Cardoso.

Se antes da pandemia os pedidos eram, na sua maioria, provenientes de pessoas com o Rendimento Social de Inserção (RSI) ou reformados, neste momento, os pedidos que chegam ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto são, essencialmente, de “pessoas que perderam o emprego e que nunca se imaginaram a passar por esta situação”.

De acordo com a responsável, em 2019, o Banco Alimentar do Porto recebeu diretamente 71 pedidos de ajuda que, encaminhou para as instituições sociais do distrito, e em 2020, os pedidos ultrapassaram as “mais de 500 pessoas”.

“A maioria das pessoas que pede neste momento ajuda alimentar nunca a recebeu e nunca se imaginou nesta situação”, salientou a responsável, acrescentando que algumas pessoas “sentem vergonha em pedir ajuda”.
O Banco Alimentar Contra a Fome do Porto é composto por uma equipa de 13 funcionários e mais de 600 voluntários.

O distrito do Porto contabilizou em dezembro 84.073 inscritos nos centros de emprego, mais 17.440 relativamente a fevereiro, mês que antecedeu o primeiro confinamento devido à covid-19, segundo as estatísticas do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).