Governo vai investir seis mil milhões de euros para acelerar o turismo

O governo apresentou um plano para a reativação do turismo que aposta num investimento de cerca de seis mil milhões de euros e assenta em quatro pilares: apoiar empresas, fomentar segurança, gerar negócio e construir futuro.

O objetivo com estas medidas é que Portugal, e tal como foi definido em 2017 quando foi elaborada a Estratégia de Turismo 2020-2027, as receitas turísticas ascendam a cerca de 27 mil milhões de euros em 2027.

“Em 2019, tivemos receitas turísticas superiores a 18 mil milhões de euros” salientou o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. O ano passado, e devido aos efeitos da pandemia, as receitas sofreram uma queda significativa mas “esperamos em 2021 ultrapassar ligeiramente os números de 2020”. Socorrendo-se das projeções internacionais, nomeadamente da IATA, que aponta que em 2023 o turismo vai atingir os níveis de 2019, o ministro da Economia acrescenta que “queremos acelerar a partir dai. Queremos assegurar que chegamos a 2027 com 27 mil milhões” de euros em receita turística. Até porque “a marca Portugal mantém-se poderosa”.

Dos cerca de seis mil milhões de euros estimados em investimento neste plano de ação, cerca de três mil milhões serão canalizados para o apoio às empresas.
O setor, duramente afetado pela pandemia, é um dos que está mais preocupado com o fim das moratórias, previsto para 30 de setembro. Neste sentido, e tal como já tinha sido indiciado pelo governo, está a ser preparado mecanismos para apoiar as firmas a partir do último trimestre. Para o turismo, e de acordo com o plano, os apoios vão traduzir-se em soluções para a capitalização das empresas; garantias públicas para refinanciamento e também linha de crédito com garantia para financiamento de necessidades de tesouraria.