Os testes à covid-19 realizados nos 36 lares do concelho da Maia, num total de 1.665 utentes e profissionais testados, revelaram 168 positivos, referiu hoje a câmara da Maia, garantindo repetição de testes até que os resultados sejam negativos.

Na Maia, de acordo com a autarquia, foram testados “lares da rede solidária e rede lucrativa, bem como todas as estruturas de acolhimento residencial de crianças, jovens e pessoas com deficiência”, num total de 945 utentes e 720 funcionários.

“Os testes serão repetidos sempre que os resultados derem positivos para a SARS-CoV-2, passado o período determinado pela Autoridade de Saúde Local. Até 26 de abril [domingo], do total de 1.665 testes realizados, deram positivo 168”, refere nota da Câmara Municipal.

De acordo com a autarquia, na primeira visita às instituições os técnicos do laboratório foram acompanhados por uma equipa constituída por dois médicos e um enfermeiro da delegação de saúde da Maia e por um técnico do gabinete de Saúde da Câmara.

“É nosso dever tudo fazer para proteger a população sénior da Maia. É isso que temos vindo a fazer ativamente. Acabámos agora de testar utentes e profissionais de todas as instituições maiatas, assim como já fizemos as operações de realojamento temporário de idosos para desinfeção dos lares. Cumprimos o nosso dever para com os maiatos mais idosos”, refere o presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago.

O autarca aproveita para agradecer e aplaudir o “espírito de missão das equipas do município e das autoridades de saúde”, falando em “complexa operação” concluída “em tempo recorde”.

A operação de testagem realizados nos lares neste concelho teve início em 24 de março. Além da testagem, as equipas fizeram formação sobre procedimentos e medidas a adotar perante eventuais casos de infeção pelo novo coronavírus, designadamente a utilização correta de equipamentos de proteção individual, a higienização correta e regular de espaços, a implementação de medidas de separação de utentes e organização do trabalho adequada a prevenir a propagação da infeção, refere a autarquia.