Presidente da Cão Viver - Ana Ceriz - Imagem de Inês Silva

A Associação Cão Viver não recebe visitas desde Março devido à Pandemia, o que compromete o trabalho feito pelos voluntários. A iniciativa que costuma realizar em dezembro, Cãominhada, poderá voltar apenas em 2021, mas a associação e os voluntários atuam todo o ano.

A Cão Viver é uma associação sem fundos lucrativos que abriga animais e tem um canil junto ao Hotel Canino Quinta do Plátano, em Vilar, concelho de Vila do Conde. Aqui, estavam alojados cerca de 60 animais, mas estes habituais residentes têm novos companheiros, que foram resgatados da tragédia ocorrida recentemente em Santo Tirso.

Os animais costumavam estar distribuídos um em cada box, mas com a chegada dos novos cães, agora existem boxes que albergam 2 ou 3 patudos. É possível ver-se, quando se entra, os animais todos em fila nas suas boxes ansiosos por receber a visita dos voluntários e as taças com comida.

A associação dispõe de um espaço amplo na quinta, onde solta os animais para um “passeio diário”, altura em que podem interagir entre si e correr livremente para soltar a energia.

Ana Ceriz a alimentar os patudos – Imagem de Inês Silva

A história da Cão Viver e a dificuldade em legalizar os canis

O trabalho da Cão Viver começou no canil da Maia em Julho de 2011, onde os voluntários fotografavam os animais. Mais tarde, com o aumento da equipa, foi criado um grupo de voluntariado, que possibilitou a atuação em outras áreas.

Em Fevereiro de 2012, este grupo de voluntários oficializou-se e ganhou o nome “Cão Viver – Associação de Proteção Animal”. Por imposição da Câmara Municipal da Maia, a associação deixou de poder atuar nas condições previstas, isto é nas instalações do Canil Municipal e em outubro de 2012 retirou os animais que detinha para um novo projeto.

Em 2013, deu-se início ao projeto do abrigo Cão Viver, no qual a associação resgatava e encaminhava os animais para adoção responsável. Mais uma vez teve que mudar de casa, porque havia dificuldades com a legalização do espaço: “Estivemos lá dois anos até que alguém fez uma denúncia, porque o abrigo estava em terreno RAN, ou seja uma Reserva Agrícola Natural e, por isso, não nos permitia legalizar o abrigo, embora tivéssemos todas as condições necessárias”.

A presidente da associação explicou ainda que se tentou “muitas vezes interpelar junto das entidades competentes, mas não nos deixavam legalizar o abrigo. E isto acontece-nos a nós, como a outras associações. Acabamos por ter de sair de lá.”

A solução encontrada pela Associação Cão Viver foi mudar-se para Hotéis Caninos temporariamente e avançar para famílias de acolhimento. Esta mantém-se como sendo a situação atual.

A presidente da associação afirma que foi feito um pedido à Câmara Municipal da Maia de um espaço para colocar os animais, de forma a dar continuidade ao trabalho previamente executado, o que lhe foi prometido, mas está à espera há 4 anos. Ana Ceriz afirma que “todo este bloqueio às associações acaba por prejudicar o município, porque não conseguimos ajudar tantos animais quanto gostaríamos. O sonho de uma associação é sempre ter o seu próprio espaço”.

Eventos e sensibilização junto à sociedade

A associação é reconhecida pelos seus eventos como a Cãominhada ou feirinhas de adoção, que vêm ganhando relevância nos últimos anos. Devido à situação atual, provavelmente a Cãominhada de 2020 não acontecerá.

Estes eventos têm como objetivo dar a conhecer os animais às pessoas, assim como arrecadar algumas possíveis ajudas, uma vez que a associação não conta com apoio estatal. Geralmente o valor arrecadado vem de apadrinhamentos, sócios ou empresas que estejam disponíveis a ajudar.

A associação realiza também algumas campanhas de sensibilização junto a escolas, lares ou grupos de jovens, que têm tido um grande aumento na procura nos últimos 9 anos.

“O ano passado, no dia do animal, visitámos 5 escolas e só não visitámos mais porque já não dava. Tem existido um grande aumento na procura destes eventos no setor da educação.

Neste momento não conseguimos fazer este tipo de sensibilização. No domingo, fizemos pela primeira vez a nossa sessão de esclarecimento de voluntariado para quem se quiser juntar a nós, pós covid, porque já não recebíamos ninguém desde Março e, para nós, acaba por ser bastante constrangedor, enquanto associação, porque não conseguimos fazer o trabalho da forma que gostaríamos no espaço dos animais”, lamenta a proprietária.

Patudo Cão Viver – Imagem Inês Silva

Ana afirma que grande parte das pessoas conhecem a associação pelas redes sociais, sendo estas um alicerce fundamental, especialmente na altura em que vivemos, mas nem sempre é fácil e explica porquê: “Nem sempre conseguimos agilizar como gostaríamos nas redes sociais, uma vez que somos voluntários, mas tentamos sempre atualizar e manter as pessoas informadas, até porque ainda ontem vimos no Facebook (através de questões que fizemos), que grande parte das pessoas que conhecem a associação, foi através das redes sociais”.

Refere ainda que, geralmente, quando necessitam de alguma ajuda, colocam na página do Facebook e conseguem concretizá-la, devido à boa vontade e empatia das pessoas com a causa. No entanto, lamenta que seja necessário a associação procurar por ajudas e que não exista essa iniciativa por parte da comunidade.

A responsável da associação reconhece que apesar da crescente consciencialização sobre o tema animal nas redes sociais e a maior preocupação que se assiste com o passar dos anos, isso não se reflete no número de adoções, nem tão pouco no número de abandonos. “Chega a ser frustrante para quem está na causa, perceber que, de ano para ano, as coisas não mudam. Em 9 anos, não senti qualquer tipo de diferença significativa nos números”, afirma suspirando.

Adoção responsável

O tamanho dos animais e a raça dos mesmos representam os principais entraves para a adoção, segundo a dirigente da Cão Viver. Os cães de porte maior ficam muitas vezes esquecidos devido ao seu tamanho. “Nos nossos pedidos, as principais características são o tamanho. Têm de ser quase sempre pequenos, porque as pessoas vivem em apartamentos. O estigma de que cães maiores são menos adequados dificulta. Por vezes os cães pequenos conseguem ser mais barulhentos e irrequietos”.

Quanto à raça, faz um apelo a que os animais não devem ser nunca uma questão de status, mas sim de amor. “Depois temos a incoerência da raça…pessoas que querem adotar um animal que seja pequeno, mas depois não se importam de adotar um boxer”.

Para realizar uma adoção responsável são indispensáveis características como a estabilidade económica, psíquica e o espaço disponível em casa. A adoção para satisfazer a vontade das crianças não deve ser feita, uma vez que serão os pais os responsáveis pelo animal e a criança poderá cansar-se rapidamente. A associação chama ainda à atenção para o facto de, numa adoção, os animais poderem passar por diferentes fases e a família ter que arranjar paciência e métodos saudáveis para lidar com a situação.

Patudo Cão Viver -Imagem de Inês Silva

Resgate em Santo Tirso e conselho para futuros voluntários

Em socorro aos animais vítimas da tragédia que ocorreu em Santo Tirso, Ana Ceriz acabou por trazer mais animais do que aqueles que o seu espaço teria capacidade para receber.

“A questão de Santo Tirso foi quase impulsiva. Não sabíamos bem onde os colocar, mas sabíamos que iam ficar internados, o que nos daria tempo. Lembro-me que liguei a uma colega e lhe perguntei quantos animais podia levar e ela me disse que poderiam ser três. Acabamos por trazer cinco. Somos sempre muito conscientes, mas a situação era muito grave”, recordou.

Quanto à experiência vivida, a voluntária e dirigente descreve-a como uma das piores da sua vida: “Foi das piores coisas que vivi. Ainda sonho com isso às vezes, porque parece que estamos bem, mas na realidade ficou cá a memória. Mas quem gosta de animais e olha para eles como alguém que dá amor e alma, é mesmo muito duro”, refere emocionada.

As cicatrizes físicas e psicológicas dos animais resgatados também preocupam os voluntários, uma vez que a experiência traumática poderá modificá-los para toda a vida.

Ana Ceriz termina aconselhando futuros voluntários a que nunca se envolvam a 100% com a causa, descrevendo que perder um animal do canil é quase como perder um dos seus. “Ser voluntário é uma preocupação constante. Tem mais coisas más do que boas, mas eu acho que as boas são o que nos move. Há pessoas que vêm aqui com uma missão”.

Refere ainda a dificuldade de lidar com situações graves e exigentes e que os voluntários não podem ser instáveis com a associação em diferentes períodos da sua vida, uma vez que alguns dos animais que lá vivem já foram abandonados uma vez e não devem passar pela mesma situação novamente. Às futuras famílias faz o apelo à consideração sobre se realmente podem acolher o animal, lembrando que as férias ou a mudança de casa não são motivo para os abandonar.