O primeiro esboço do plano de vacinação contra a covid-19, apresentado pela Direção-Geral da Saúde, não caiu bem entre os peritos. Os mais velhos, o grupo mais afetado pela mortalidade da pandemia, está no fim da lista de prioridades.

O plano preliminar da DGS para a vacinação, apresentado por Graça Freitas, deixa as pessoas com mais de 65 anos para o fim do grupo de prioridades para a vacinação contra a covid-19. A proposta foi apresentada por Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, a um grupo de 22 peritos e causou indignação, relata a edição do jornal “Expresso” desta sexta-feira.

Segundo o plano preliminar, há cinco grupos prioritários para a vacinação contra a covid-19. Primeiro, os profissionais de saúde, depois os funcionários de lares. Em terceiro lugar a população dos 50-59 anos com fatores de risco, como os doentes crónicos, e em quarto lugar os portugueses dos 60 aos 64 anos sem comorbilidades.

No fim da lista de prioridades, escreve o “Expresso”, está o grupo de pessoas com mais de 65 anos. Após estes cinco grupos, segue-se o resto da população portuguesa, numa ordem por definir.

Já o jornal “Público”, que diz ter tido acesso às conclusões do grupo de trabalho, adianta que as “pessoas entre os 50 e os 75 anos com doenças graves, como insuficiência cardíaca, respiratória e renal, os funcionários e utentes de lares de idosos e os profissionais de saúde envolvidos na prestação direta de cuidados deverão ser os primeiros a ser vacinados contra a covid-19”.

Segundo este diário, “seguir-se-ão, numa segunda fase, 45 mil elementos das forças de segurança e da proteção civil e as pessoas entre os 50 e os 75 anos com doenças crónicas, como diabetes, cancro, doença pulmonar obstrutiva crónica, entre outras, e que totalizam perto de três milhões”.

Segundo a SIC, as pessoas com mais de 75 anos ficarão de fora do plano da vacinação, para já, uma vez que as farmacêuticas e Agência Europeia do Medicamento não apresentaram provas suficientes sobre a eficácia da vacina neste grupo etário.